Versão para impressão Enviar por E-mail
Save
restauracao_fortificacao_banner

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

Informações e marcação de visitas:

Serviço de Relações Públicas
Tel. 217982167 e 217982434

 

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

Artis_Logo

 

flul3

 

FCT_V_2015_branco

 

biblioteca-ajuda

 

exercito


Restauração e a fortificação moderna. Nicolau de Langres e as praças no Alentejo

MOSTRA | 2 ago. - 1out. ’22 | Galeria do Auditório | Entrada livre


restauracao_fortificacao_autoretrato

A reafirmação da fronteira terreste na Restauração de 1640, dominou a estratégia política definida por D. João IV, através de novas fortificações nas cidades e vilas designadas Praças-Fortes, e da contratação de engenheiros militares estrangeiros que dominavam esta arte ou ciência desenvolvida a partir da Guerra dos Trinta Anos (1618-48).

 

Neste âmbito, destacaram-se o francês Charles Lassart, responsável a partir de 1642 pelas fortificações do Reino; no Alentejo, a principal província defensiva do território português, João Gilot, representante da Escola Holandesa, assim como Cosmander, o padre jesuíta que desenhou projetos para Olivença, Elvas e Juromenha.

O francês Nicolau de Langres assume a responsabilidade das obras nesta região em 1647, quando Cosmander foi preso e faleceu no cerco a Olivença ao serviço de Castela, e João Gilot se ausentou para os Países Baixos.

 

O engenheiro militar Nicolau de Langres foi autor de projetos para Campo Maior, Évora, Beja, assim como de inúmeras propostas de melhoramentos em Elvas e Juromenha. Tendo-se ausentado para França em 1660, veio a falecer no cerco da Batalha de Montes Claros (1665), também ao serviço Castela.

 

restauracao_fortificacao_frontspicio

O catálogo de Nicolau de Langres, Desenhos e Plantas de todas as Praças do Reyno de Portugal (c.1661), é referenciado em inúmeros textos sobre o período da Restauração em Portugal e a sua importância sublinhada na publicação de Gastão de Melo Matos, Nicolau de Langres e a sua Obra em Portugal (1941), que nos dá a dimensão da obra edificada no Alentejo.  As questões e opções que eram discutidas nos órgãos centrais para aprovação dos projetos retratam, de forma inequívoca, a inserção de Portugal nesta política defensiva baseada na Fortificação Moderna e o reconhecimento da sua independência.

 

Outras obras posteriores, como o Livro das Praças de Portugal (1663) de João Nunes Tinoco, o Livro de varias plantas deste Reino e de Castela (1699-1743) de João Tomás Correia, e Praças do Alentejo de Miguel de Luís Jacob são manuscritos importantes de cartografia sobre as obras de fortificação que se realizaram em Portugal, e que valorizam o património militar edificado no Alentejo nesse período.

restauracao_fortificacao_campo_maior


A tratadística sobre a Fortificação Moderna no séc. XVII, desenvolvida em paralelo com uma prática no terreno, afirmava a intelectualidade baseada na ciência da matemática, como forma de justificar todos os projetos. O cargo de engenheiro-mor do Alentejo será atribuído a Luís Serrão Pimentel em 1663, fundador da Aula de Fortificação e Arquitetura Militar (1647), e a sua Prática e a Teoria são expressas em vários manuscritos e compiladas no seu tratado Methodo Lusitânico (1680), que demonstra o conhecimento da engenharia militar em Portugal.

 

 

VISITAS GUIADAS

 

1 setembro | 16h30 | com Margarida Valla

20 setembro | 11h00 | com Margarida Valla

 

 

Comissária: Margarida Valla (ARTIS-IHA/FLUL; FCT)