Versão para impressão Enviar por E-mail
Save
contemporanea_centenaria_banner

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

Serviço de Relações Públicas
Tel. 217982157/67 e 217982434

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

Folha de sala

 

 

fcsh_2019

 

ielt-logo

 

 

cnc


Contemporânea centenária 1922-2022
MOSTRA  | 20 mai – 15 jul.’22 |  Sala de Referência  |  Entrada livre

jose_pachecoA revista Contemporânea foi obra do arquiteto José Pacheco (Lisboa, 1885-1934). Após a publicação de um número espécime em 1915, a revista foi regularmente publicada entre maio de 1922 e março de 1923 (números 1 a 9), quando teve por editor o empresário algarvio Agostinho Fernandes. Em 1924 só conheceu uma edição e, no ano seguinte, apenas um suplemento. Os três derradeiros números datam de 1926.

Contemporânea foi uma revista contemporânea de si mesma. No artigo de abertura, “Carta aberta a um esteta”, há um curioso passo que define a direção pretendida e explica em grande parte o título escolhido: é uma revista, não de futuristas, epíteto negativo sobretudo para a geração que este “esteta” representava, mas de “contemporâneos”, jovens do seu tempo, que queriam promover Portugal.

Do ponto de vista gráfico, trata-se de uma revista emblemática da década de 20, cuja singularidade se estende à própria publicidade. No final da primeira série (junho 1922), é curiosa a afirmação contundente de que a publicidade não era para rasgar visto ser igualmente arte.

Embora se revele verdadeiramente hispanófila na série final, ao adotar o subtítulo “Portugal * Ibero-americanismo * Arte”, Contemporânea mostrou ser, desde o primeiro número, uma revista que partilhava grande simpatia pelas língua e cultura espanholas e se encontrava aberta à colaboração de intelectuais de idioma castelhano, nomeadamente, diplomatas acreditados em Portugal e seus próximos, como se verificou com o modernista Ramón Gómez de la Serna.

A doença de José Pacheco impediu-o de voltar a editar a revista após 1926, o que não obsta a que o seu espólio faculte inúmeras pistas acerca das intenções que alimentava a este propósito, e que são confirmadas pelos materiais textuais e gráficos destinados à décima quarta Contemporânea. O legado édito e inédito da revista Contemporânea é indispensável para o estudo do Modernismo em português de aquém e de além-mar.

Esta mostra celebra esse legado centenário, demonstrando a importância desta revista no seu tempo e no seu contexto, ao mesmo tempo que exibe textos e objetos raramente apresentados ao público.


Ricardo Marques