Versão para impressão Enviar por E-mail
Save
galharde_destaque_banner

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 6821 798 21 68


Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

Horário

2.ª - 6.ª 09h30 - 19h30

sáb.  09h30 - 17h30

 

 

Folha de sala

 

 

Livraria Online

> Para a história da tipografia portuguesa. A oficina de Germão Galharde e de sua viúva, 1519-1565 vol. 1

 

> Para a história da tipografia portuguesa. A oficina de Germão Galharde e de sua viúva, 1519-1565 vol.2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Germão Galharde: 500 anos de tipografia em Portugal

DESTAQUE | 25 set. - 31 dez. '20 | Sala de Referência | Entrada livre

Quando, provavelmente no mês de novembro de 1519, o impressor Germão Galharde, de origem francesa, firmou a sua primeira obra Tratado da pratica Darismetyca / ordenada per Gaspar nycolas, saída dos prelos instalados algures na cidade de Lisboa, podia contar com um terreno já bastante desbravado pelos seus antecessores, os mestres tipográficos Valentim Fernandes, João Pedro de Bonhomini e Hermão de Campos.

A seleção das obras em exposição orientou-se, portanto, pela demonstração do património recebido dos seus predecessores, designadamente, o material tipográfico existente na sua oficina e com o qual trabalhou desde o primeiro até ao último livro que produziu, impresso em 1565, nos prelos entretanto já manobrados pelos seus herdeiros, como se pode verificar pelo cólofon da edição de Viagem & naufragio da / Nao sam Paulo (…).

Os impressos expostos documentam a longevidade do parque gráfico da tipografia portuguesa da primeira metade do século XVI, sobrevivendo o material tipográfico utilizado na produção de edições bastante posteriores, facto que se considera ser um elemento fundamental a ter em atenção na reconstrução da sua História.

Por outro lado, a convivência prolongada com os impressos da oficina de Germão Galharde, dedicando um cuidado especial à apresentação quase exaustiva de um corpus documental do parque gráfico, reproduzido no volume 2 de Para a história da tipografia portuguesa. A oficina de Germão Galharde e de sua viúva, 1519-1565, permitiu – ou contribuiu para - identificar fragmentos em encadernações, como é o caso do livro Breue memorial dos pecados e cousas que pertençem ha confissam (…) em exposição, assim como recuperar gravuras da Oficina de Valentim Fernandes que, inexplicavelmente, não sobreviveram nos seus impressos localizados até ao presente, como se poderá observar pelas seguintes obras expostas: Cronica llamada el triu[m]pho de los nueue p[re]ciados de la fama (…) e Ho liuro da regra & perfeyção da cõuersaçã dos monges (…)

Ainda relativamente a Breue memorial dos pecados e cousas (...)  nunca é demais recordar a importância e o alcance que a presença de fragmentos nas encadernações poderá encerrar. Neste caso, a identificação dos fragmentos permitiu identificar um novo sistema das chamadas Ordenações Manuelinas.  

Sobre o impresso Ordenaçã da orde[m] do juizo, assinala-se a reutilização de uma gravura de João Pedro de Bonhomini, recurso que, aliás, não constitui exemplo único.

Com a exposição do Breue memorial de pecados & cousas que pertençam a confissão (…), documenta-se um dos exemplos de recurso à iconografia proveniente da Oficina de Hermão de Campos, designadamente, uma gravura da edição do Ho flos sanctorum, Hermão de Campos, 1513.

A obra exposta, Reegra & statutos da ordem de Santiago, assinala a primeira ocorrência de uma capa que, normalmente, se relaciona com a edição d’Os Lusíadas, impresso por António Gonçalves, em 1572. Acontece, todavia, que o conjunto de tarjas surge, pela primeira vez, na edição da Reegra & statutos da ordem de Santiago impressa, em 1548, na Oficina de Germão Galharde. Posteriormente, e a partir de 1554, as duas colunas laterais aparecem sem pêndulos, circunstância que permite datar apropriadamente alguns impressos posteriores, como a Primera parte de las Sentencias (…) ou a Doctrina d`principios e fundame[n]tos d`christa[n]dade.

Lisboa, agosto de 2020