Versão para impressão Enviar por E-mail
canticos_banner

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

 

Informações

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 68

Fax 21 798 21 38
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

 

Horário

2.ª - 6.ª 09h30 - 19h30

sáb.  09h30 - 17h30

 

Folha de sala

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apoio:


 

 

 


O Cântico dos Cânticos

Beija-me com os beijos da tua boca

EXPOSIÇÃO | 2 out .- 30 nov. '20 | Sala de Exposições - Piso 3 | Entrada livre

 

 

> A visita à Exposição obriga à desinfeção das mãos à entrada do edifício e ao uso de máscara até à saída das instalações

 

Esta exposição, dedicada ao Cântico dos Cânticos, visa reconstituir a atmosfera e recriar o imaginário do célebre poema bíblico do amor,

O Cântico dos Cânticos, celebrado livro de amor do Antigo Testamento, atribuído a Salomão, datado por especialistas entre o XIII e o VII século a.C. (período do florescimento da literatura amorosa do Egipto), e no registo escrito entre o séc. VI e IV a.C, de extraordinária irradiação mundial, recolheu o legado da poesia de amor do Oriente antigo e tem vindo a inspirar todas as expressões da arte, desde há vários séculos, na literatura, nas artes plásticas, na dança, na música e no cinema.

A exposição, que inclui as imagens mais emblemáticas que, em Portugal, lhe foram dedicadas, é composta em maioria por obras do século XV até aos nossos dias, provenientes da coleção particular do poeta Gonçalo Salvado, completada e enriquecida com outras pertencentes ao acervo da própria Biblioteca Nacional e de diversas entidades nacionais, quer no plano das versões e traduções, quer na poesia, no teatro e no ensaio, ou em títulos cuja influência deste texto matricial é notória.


A vastíssima iconografia, com expressão privilegiada em Portugal, onde no século XVII e XVIII é um caso único na Europa, está representada na pintura de Bento Coelho da Silveira (Lisboa, 1617 - Lisboa, 1708); na escultura em bronze Sulamite (1909) da Terceira Duquesa de Palmela, Maria Luísa de Sousa Holstein (1841-1909), premiada no Salon de Paris (1884), na xilogravura de João Carlos Celestino Gomes (1899 - 1960), na ilustração do mestre Lima de Freitas (1927–1998), na litografia do escultor José Rodrigues (1936 -2016), no desenho do escultor João Cutileiro (1937) e na pintura de Emília Nadal (1938), a primeira artista portuguesa a dialogar com o Cântico dos Cânticos no século XX, entre outras obras de igual importância e relevo. Está também representada, simbolicamente, com uma cópia de um painel pintado por António Oliveira Bernardes, cerca de 1710.


Esta exposição representa uma antecâmara do grande projeto de investigação sobre o Cântico dos Cânticos na galáxia de língua portuguesa, desenvolvido durante cerca de uma década por Gonçalo Salvado e pela crítica de arte, Maria João Fernandes.

Nenhum poema ao longo do tempo despertou tanto fascínio e deu origem a tantas traduções e interpretações como o Cântico dos Cânticos, o mais sublime e exaltante dos poemas amorosos.