Versão para impressão Enviar por E-mail
echevarria_banner

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 6821 798 21 68

Fax 21 798 21 38
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

Horário

2.ª - 6.ª 09h30 - 19h30

sáb.  09h30 - 17h30

 

 

Folha de sala

 

Cartaz

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apoio:




Fernando Echevarría: 90 anos

DESTAQUE | 1 fev. - 2 mar. '19 | Sala de Referência | Entrada livre

Fernando Echevarría nasceu em 1929, em Cabezón de la Sal (Espanha). Estudou Humanidades, em Portugal, e Filosofia e Teologia, em Espanha. Exilado em Paris, em 1961, dedicou-se à docência e dividiu as suas atividades entre França, Argélia e Portugal. Colaborou em publicações como Graal, Cadernos do Meio-Dia, Eros ou Colóquio/Letras.

As primeiras obras do autor, precursoras das tendências futuras e emergentes num momento de balanço das vertentes poéticas que atravessaram a década de 50, trazem a novidade do poema curto. Como sublinha Fernando Martinho, a poesia de Echevarría assenta «em insólitos enjambements, no amplo recurso à frase nominal, e na estranheza das imagens com que procurava expressar-se, em rude e humaníssima linguagem, o diálogo com o divino».

As metáforas verbais, o amplo uso da frase nominal, a disciplina rítmica e rimática, o jogo dialético das palavras reiteradas no poema, são algumas das caraterísticas de uma poética que tem sido frequentemente inserida num movimento neobarroco na sua dupla fonte: a do contacto direto com a tradição gongórica e a da releitura depurada dessa tradição efetuada pela geração espanhola de 27 (cf. Fernando Guimarães - «Fernando Echevarría», in Dicionário de Literatura Portuguesa, Lisboa, 1996).

Mas pode ainda aproximar-se Echevarría de outras duas tendências contemporâneas: a do desenvolvimento de uma poesia reflexiva, a que subjaz a especulação filosófica, e que aproxima o autor de alguns colaboradores de Eros, como Fernando Guimarães ou António José Maldonado (tendência agudizada nos últimos títulos: Introdução à Filosofia e Fenomenologia); e a vertente da compreensão, muitas vezes coincidente com a primeira tendência, na esteira do simbolismo mallarmiano, da poesia como um instrumento de conhecimento, na decifração de uma dimensão absoluta e de uma verdade metafísica que podem ser entrevistas pelo uso do símbolo na condensação intensiva de todas as irradiações significativas de certas palavras.