Versão para impressão Enviar por E-mail
david_sousa_banner

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

Informações

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 68

Fax 21 798 21 38

Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

Horário

2.ª - 6.ª 09h30 - 19h30

sáb.  09h30 - 17h30

 

 

Folha de sala

 

Cartaz

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apoio: 


David de Sousa (1880-1918)

DESTAQUE | 3 - 28 dez. '18 | Sala de Referência | Entrada livre

Mostra evocativa do centenário da morte de David de Sousa, compositor nascido na Figueira da Foz, em 1880.

David de Sousa concluiu o curso de violoncelo no Conservatório de Lisboa, em 1904, e estudou no Real Conservatório de Música de Leipzig, entre 1907-8. Desenvolveu uma intensa atividade artística no estrangeiro como maestro, violoncelista e compositor, principalmente na Rússia, Áustria e Inglaterra.

Regressou a Portugal em 1913, tendo fundado e dirigido uma orquestra sinfónica sediada no Teatro Politeama, em Lisboa. O primeiro concerto realizou-se a 7 de dezembro desse ano e a Orquestra passou a rivalizar com a Orquestra Sinfónica Portuguesa, dirigida por Pedro Blanch, no Teatro da República (1911-1928). Os concertos de ambas realizavam-se aos domingos à tarde, à mesma hora, patrocinadas pelos empresários dos respetivos teatros. Dada a visibilidade das suas temporadas, originou-se uma divisão entre “davidistas” e “blanchistas”, que provocou uma acesa discussão pública patente em vários periódicos da época, como O Século e a Arte Musical.

Após a sua morte, a direção da orquestra que fundou foi assumida por Vianna da Motta, passando a designar-se Orquestra Sinfónica de Lisboa, o que terá levado alguns autores a atribuir esta designação à orquestra durante o seu período de regência.

Enquanto diretor de orquestra desempenhou um papel importante na divulgação de um repertório sinfónico até então desconhecido em Portugal, especialmente de música de cunho nacionalista (russa, francesa, portuguesa). Foi professor de violoncelo e da classe de Música de Orquestra do Conservatório Nacional. Compôs uma centena de obras, com destaque para a Rapsódia Eslava, os poemas sinfónicos Babilónia e Inês, e Cantares Portugueses. O seu estilo musical enquadra-se num romantismo tardio de influência alemã. O seu espólio encontra-se depositado na Biblioteca Pública Municipal Pedro Fernandes Tomás e no Museu Municipal Santos Rocha, na Figueira da Foz.