Versão para impressão Enviar por E-mail
joao_r_sousa2_banner

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

 

Informações

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 6821 798 21 68

Fax 21 798 21 38
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

Horário

2.ª - 6.ª 09h30 - 19h30

sáb.  09h30 - 17h30

 

 

 

Folha de sala

 

Cartaz

 

 

Mostra João Rui de Sousa. Prémio Vida Literária 2012 (BNP, 2012)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apoio:


João Rui de Sousa: 90 anos

MOSTRA | 12 out. - 28 dez. ’18 | Sala de Referência | Entrada livre
PALESTRA | 29 nov.’18 | 18h30 | Auditório | Entrada livre


Nos 90 anos do poeta e ensaísta João Rui de Sousa, a Biblioteca Nacional de Portugal celebra a sua obra através de uma mostra e de um encontro. Neste último, Fernando Martinho e José Manuel Vasconcelos falam sobre o autor e Ricardo Marques lê poemas seus.

Poeta, crítico e ensaísta, nasceu em Lisboa, a 12 de outubro de 1928. Depois de ter feito o curso de Regente Agrícola na Escola Agrícola D. Dinis, licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas na Faculdade de Letras de Lisboa. Trabalhou durante largos anos na Junta Nacional das Frutas, tendo, já depois de 1974, desempenhando funções na Área de Espólios da Biblioteca Nacional (hoje Arquivo de Cultura Portuguesa Contemporânea), da qual se aposentou em 1993.

O seu nome aparece inicialmente ligado à revista Cassiopeia (1955), como um dos seus diretores. A sua poesia, no essencial, permaneceu fiel a duas linhas: por um lado, uma defesa da «fraternidade», já vincada pelo realismo social; por outro, a não-abdicação da «singularidade», num tempo em que as esperanças utópicas se mostravam já em clara regressão. No plano poético, conjuga dois vetores, o ético e o estético, e a abertura a uma reflexão que problematiza o estar no mundo.

O gosto pela reflexão manifesta-se não apenas na prática poética, mas também no exercício de uma atividade crítica e ensaística que chegará até aos nossos dias. Na poesia, é esse gosto o responsável pelo seu tom frequentemente reflexivo, que tem um dos seus pontos culminantes em Meditação em Samos (1970). Neste livro, através de um diálogo com Pitágoras e outros nomes da filosofia antiga, privilegia-se o papel de um dos quatros elementos, o fogo, enquanto no conjunto inédito Respirar pela água, incluído na primeira reunião da sua obra poética, O fogo repartido: 1960-1980 (1983), privilegia-se o elemento água, constituindo em Corpo terrestre, vindo a público em 1972, mas anterior a Meditação em Samos, a terra, o fundamento arquetípico. Se considerarmos os livros reunidos em O fogo repartido, poderíamos distinguir duas fases na poesia de João Rui de Sousa:

1.    Uma primeira, até ao fim da década de 70, em que sobressai uma atitude interventiva, de resposta às questões colocadas pela História, pela circunstância, e em que se inclui o poema A hipérbole na cidade, 1960, e os livros Circulação (1960), A habitação dos dias (1962), e Corpo terrestre (1972);

2.    Uma segunda, a partir da década de 80, mais liberta do circunstancial, e mais aberta às inquietações maiores do homem ou à sua vinculação ao cósmico e ao elementar, e de que fariam parte Meditação em Samos e Respirar pela água.

Em 2002, João Rui de Sousa volta a reunir a sua Obra poética (1960-2000), que foi distinguida com os Prémios do PEN e do Centro Português da Associação Internacional dos Críticos Literários. A sua prática poética teve seguimento com diversos títulos, em que se destacam Lavra e poesia (2005), Quarteto para as próximas chuvas (2008), que foi Prémio de Poesia Teixeira de Pascoaes, Respirare attraverso l’acqua, Antologia poetica (Turim, 2014), e Ardorosa súmula (2016). Em 2012, a sua obra foi consagrada com o Prémio Vida Literária da Associação Portuguesa de Escritores.

O exercício da crítica e do ensaísmo literário começou nele muito cedo e foram vários os lugares por onde o deixou, com destaque para o Suplemento Literário de A Capital, o jornal Crítica, e o JL. A edição de obras de outros autores foi outro campo onde ficou a marca do seu entranhado amor pela poesia e pela literatura. Cabem nesta rubrica a 2.ª edição das Poesias completas de Adolfo Casais Monteiro, em 1993, e a edição de Poesia e alguma prosa, de Mário Saa, em 2006. Também os Estudos Pessoanos lhe devem dois contributos de grande relevância, a Fotobibliografia de Fernando Pessoa: 1902-1935, de 1988, e a 2.ª edição, revista e aumentada de Fernando Pessoa empregado de escritório, de 2010. Dedicou ainda a um companheiro de aventura literária um dos livros fundamentais da sua bibliografia passiva: António Ramos Rosa ou o Diálogo com o universo (1998).