Versão para impressão Enviar por E-mail

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

 

Informações

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 68

Fax 21 798 21 38
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

Horário

2.ª - 6.ª 09h30 - 19h30

sáb.  09h30 - 17h30

 

Programa Colóquio

 

Folha de sala

 

 

 

 

CEC - Centro de Estudos Clássicos

 

FLUL/UL

 

 

 

 


Leitores dos clássicos: edições italianas na transição do século XV para o século XVI

EXPOSIÇÃO | 6 nov. '15 - 30 jan. '16 | Museu do Livro | Entrada livre
COLÓQUIO | 6 nov. '15 | 10h00 | Auditório BNP | Entrada livre | Programa

Apresenta-se uma seleção de edições humanísticas, sobretudo incunábulos, de autores gregos e latinos, impressas maioritariamente em prelos italianos, existentes no acervo da Biblioteca Nacional de Portugal (BNP).

Este conjunto de obras constituem peças-chave para compreender a introdução do Humanismo em Portugal e estão na génese das principais inovações intelectuais e estéticas da cultura portuguesa ocorridas durante os reinados de D. João II e de D. Manuel I.

As marcas de posse, assim como os comentários interlineares e marginais, de diversas mãos, em latim e em português, situados num período próximo à sua produção, permitem-nos compreender a circulação de livros italianos em Portugal nas Cortes de D. João II e D. Manuel I e a adoção da cultura humanística em Portugal, bem como a própria compreensão do fenómeno de disseminação do Humanismo na Europa.

Entre os exemplares expostos merecem particular destaque uma edição das Heroides de Ovídio (Venezia: Boneto Locatello para Ottaviano Scoto, 1492, INC. 832), obra que contém glosas com traduções para português da obra latina e que poderá ter servido para a aprendizagem do latim do príncipe D. João (futuro D. João III), e uma edição da História natural de Plínio (Parma: Andrea Portilia, 1480, INC 462), que pertenceu a Tristão Teixeira, um dos três filhos de João Teixeira, chanceler-mor de D. João II, que, tal como os irmãos, recebeu uma bolsa de estudo para estudar em Itália, tendo sido aluno de Poliziano. Constitui um exemplar raro só comparável ao exemplar que contém a edição da História natural preparada por Perotto, hoje na Bodleian Library de Oxford (Bodleian Library Auct. Q.1.2).

Estas edições constituem, à margem da produção tipográfica portuguesa, o pulmão da educação palaciana na passagem do século XV para o século XVI. Incidindo sobre a leitura palaciana das edições humanísticas e no seu uso didático, no período que compreende os reinados de D. João II e D. Manuel I, esta exposição permite caracterizar e definir os momentos de introdução do Humanismo em Portugal.

A par da exposição comissariada por Ana Maria S. Tarrió, uma iniciativa conjunta do Centro de Estudos Clássicos (CEC) da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e da Biblioteca Nacional de Portugal, decorre a 6 de novembro, um Colóquio com o mesmo nome, organizado pelo CEC.

Programa

10h00 Sessão de abertura | Maria Inês Cordeiro, Giuseppe Morabito, Paulo F. Alberto, Cristina
Pimentel, Ana M. Sánchez Tarrío

10h15 Apresentação | Aires A. Nascimento

10h30 Vincenzo Fera (Università di Messina)
Studenti portoghesi alle lezioni del Poliziano su Plinio nel 1489-90: l’INC. 462  della BNP

11h00 Elisabeth Boutroue (CHRT Paris)
Entre botanique et philologie : les notes marginales de l'Inc. 462 de la bibliothèque nationale
du Portugal

11h30 Maria Luísa Resende (CEC)
Traduções erasmianas de autores gregos

12h00 Ana María Tarrío (CEC)
O sentido de uma exposição: o valor das edições humanísticas italianas para a cultura
renascentista portuguesa

12h30 Visita à Exposição (comissariada por Ana M. Sánchez Tarrío)

13h00
Almoço

15h00 Apresentação do catálogo da Exposição por Arnaldo do Espírito Santo

15h30 Mesa-redonda com a presença de investigadores do Humanismo Português


Cabeçalho: pormenor de tapeçaria «Hércules carregando a esfera celeste» da série «As Esferas», 1535, Museu das Tapeçarias (Palacio Real de Madrid). Pert. à coleção de D. João III e depois de Filipe II.