Versão para impressão Enviar por E-mail
banner_ordem_livros

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

 

Informações

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 68

Fax 21 798 21 38
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar


Os livros em sua ordem. 

Para a história da Biblioteca Geral da Universidade

APRESENTAÇÃO | 11 maio '15 | 17h00 | Auditório BNP | Entrada livre

Apresentação por José Pedro Serra (Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa) da obra de autoria coletiva, coordenada por A. E. Maia Amaral, destinada a celebrar os 500 anos da Biblioteca da Universidade de Coimbra, porventura a maior e mais rica biblioteca universitária portuguesa, que relata a história daquela Biblioteca – desde o primeiro testemunho escrito referindo a sua existência, até aos recentes projetos de digitalização.

Trata-se de um relato cronológico, com mais de 200 páginas, cuja periodização os autores fazem coincidir com momentos significativos da história da Biblioteca: mudanças de regulamentos, de instalações, diretores mais marcantes, etc., possui ainda anexa a lista dos responsáveis pela Biblioteca de 1532 até ao presente. Com capa dura, sobrecapa, grande formato, papel de qualidade, design cuidado e profusão de ilustrações, a obra foi integralmente patrocinada pela Fundação Eng.º António de Almeida.

Tal como refere Fernando Taveira da Fonseca, que assina o prefácio do livro: «este estudo torna-se, deste modo, um tributo, um testemunho de reconhecimento, fixando uma outra memória na qual acontecimentos e afetos se entretecem. Sente-se, nesta história, discreta mas nítida, a presença dos narradores: o que chega até nós é um olhar a partir de dentro, das problemáticas que dia a dia os interpelam, da paixão que os liga ao trabalho que desenvolvem, projetada na leitura que fazem do passado e das personagens do seu enredo. Ao contarem a biblioteca, contam-se a si próprios: e esta perspetiva quase confidencial torna aliciante a leitura deste texto».